imagemUnidadeMojuA Fazenda Sococo é resultado de um eficiente projeto estratégico desenvolvido desde os primeiros anos de funcionamento da empresa, e marca um salto histórico de qualidade em relação à cultura do coco. Trazido para o Brasil nos primeiros anos da colonização, os coqueiros ocuparam faixas litorâneas de boa parte do País, consolidando-se como opção econômica, particularmente na área que vai da Bahia ao Ceará, e durante quatro séculos pouco evoluiu como cultura produtiva.

A grande mudança nesse cenário deve-se à Sococo, que foi buscar na maior autoridade técnica mundial sobre palmáceas – o IRHO (Institut de Researches pour les Huilles et Oleagineaux) – as respostas para qual o local, em todo Brasil, onde melhor se adaptaria uma plantação absolutamente inovadora na ocupação de solo e espécimes híbridas de coco. Os estudos detalhados do IRHO apontaram para o município de Mojú, a 110 km de Belém do Pará. E ali foi implantado, em 1976, o mais ousado projeto de coqueicultura do Brasil e o mais representativo da América Latina, baseado na utilização racional e sustentável do solo amazônico e no desenvolvimento do super-coco híbrido (que apresenta maior qualidade e produtividade do que os tradicionais cocos nativos).

Em Mojú, a área total da fazenda é de aproximadamente 20 mil hectares, com 796 mil coqueiros plantados em cerca de cinco mil hectares. Uma reserva de mata nativa com nove mil hectares é rigorosamente preservada pela empresa.